Geral

O amor Uma definição e o caminho do encontro com você mesmo

Amor é uma palavra que tem tantas definições, não é mesmo? Qual é a sua? Já pensou nisso? Então, te convido a experimentar esta: o amor é a capacidade e disposição para permitir que aqueles que você ama façam suas próprias escolhas, sem insistir para que satisfaçam a você. Essa definição, talvez, na prática pareça ser difícil de exercer, porque para a grande maioria das pessoas o amor está associado ao apego, ao medo, ao sentimento de posse e de controle, e ao simples desejo das suas expectativas serem correspondidas.

Como conseguir deixar que os outros sejam o que quiserem, sem insistir que satisfaçam suas expectativas? O caminho da resposta está amando a si mesmo. Pense comigo. Uma vez que você reconhece as suas qualidades, você não precisará que os outros reforcem o seu valor, logo, não será necessário que os seus comportamentos sejam regidos pelas diretrizes dos outros. Se você é seguro de si, não quer e nem precisa que os outros sejam iguais a você. Assim, você aprende que para amar a si mesmo não precisa de corresponder as suas próprias expectativas sobre si. É só amar.

O presente do amor próprio é justamente o reflexo desse amor interno que transcende a capacidade de amar os outros, de dar, de fazer algo pelos outros, fazendo primeiro por si. O que você faz não visa em receber agradecimentos ou compensações, você faz por ser genuíno o prazer que sente ao ajudar ou amar alguém. Se você não gosta de si mesmo, torna-se impossível realizar isso. Como dar amor, se você acredita que você nada vale? Seu amor, então, não valeria nada. E se você não pode dar amor, também não poderá receber. Toda a questão de amar, de dar e receber tem por base um EU que é plenamente amado. Em vez de se odiar, cultive sentimentos positivos, aprenda com os seus erros e não os associem com a sua própria valorização. Essa é a verdadeira essência do amor próprio e, consequentemente, com os demais.

Lembre-se: todos nós estamos inseridos na grande escola chamada vida e não nascemos prontos, somos eternos aprendizes e não serão os erros ou os certos que determinarão o nosso valor e sim o nosso desenvolvimento pessoal.

Amar a si mesmo não exige o amor dos outros, não implica a necessidade de convencê-los, mas sim a aceitação intrínseca de si. Portanto, essa definição de amor possibilita que o caminho para o seu encontro pessoal comece através da sua imersão. Não importa onde você deseja chegar, o seu ponto de referência está dentro de você. Esse é o caminho.

 

Com Carinho

Mari Rodrigues